Um bom conteúdo tem o mesmo efeito provocado por aquelas pessoas que dominam a arte de conduzir uma conversa interessante. Ambos têm muitas qualidades. Algumas por vezes mais intangíveis e que podem ir além do tom usado e de uma seleção atraente de temas.

Vamos ver oito práticas que podem ser adaptadas para o conteúdo da sua empresa.

1. Tenha interesse verdadeiro na pessoa com quem você está falando

Mesmo que os principais clientes da empresa sejam outras empresas ou que o objetivo final do Marketing de Conteúdo seja melhorar nos rankings de busca, lembre-se: ninguém gera conteúdo para um CNPJ, nem para os robôs dos buscadores. Quem está do outro lado, necessariamente, é uma pessoa. Um ser humano como você, com preocupações, compromissos, senso de humor, interesses variados… Queira saber, de verdade: quem é essa pessoa? O que passa em sua cabeça? O que ele/ela gosta de fazer? O que o/a motiva na vida? Que problemas quer resolver?

Uma vez que conseguir estabelecer um laço de proximidade entre você e seu público, fica mais fácil e natural sentir esse interesse genuíno em querer ajudar essas pessoas a alcançar seu potencial na vida, a viver melhor. Você pode alcançar tudo isso através do conteúdo que sua empresa gera – desde que seja verdadeiro e que tenha como força motriz o interesse pela troca.

2. Concentre-se nos aspectos positivos

Foque em temas positivos. Em vez de falar dos problemas que levam seu público àquele conteúdo, proponha logo a solução. No lugar de discorrer sobre crises do passado, abra o debate para objetivos e conquistas no futuro. As pessoas com quem gostamos de conversar não ficam discorrendo sobre o café que derramaram na mesa naquela manhã. Elas contam sobre os momentos engraçados do dia, sobre o filme que estão ansiosas para assistir à noite.

Não há problema em falar sobre temas que provocam emoções negativas de vez em quando – desde que haja um propósito nisso, como conhecer melhor a pessoa que está do outro lado, pedir um conselho ou gerar empatia. Sua empresa ganha mais se procurar gerar bem-estar em vez de adicionar à pilha de conteúdo negativo que já existe por aí.

3. Em vez de debater ou argumentar, converse

Você já se deparou com blogs que aparentam fomentar debates, que não passam de discussões vazias? Com fóruns com pouco conteúdo e muito embate de ego? Uma boa conversa deve ser uma plataforma em que opiniões são transmitidas, não um campo de batalha de uma postura contra a outra.

Seu conteúdo também deve fomentar a conversa e o surgimento de ideias diferentes, sempre de forma amigável. Nem sempre uma boa conversa precisa convergir a um ponto em comum, a uma conclusão. Por vezes a simples exposição de diferentes pontos de vista é enriquecedora o suficiente. Permita que questões sejam deixadas em aberto. Entregue menos respostas e fomente mais a reflexão.

4. Respeite: não imponha, não critique, não julgue

Seu conteúdo deve transparecer o respeito ao ponto de vista de outras empresas e de outras pessoas. É sempre bom expressar a sua opinião, mas nunca é bom impor. Procure respeitar as escolhas do público, ainda que não façam sentido para você. Às vezes o conteúdo recebe comentários ou feedbacks à primeira vista aleatórios, mas que nos fazem pensar em seguida. Outros se destinam a levantar alguma reação – talvez apenas uma risada.

Independente do caso, evite a qualquer custo criticar ou julgar. Do contrário, o conteúdo que deveria aproximar somente irá afastá-lo de sua audiência.

5. Ressalte as qualidades das pessoas

Esse é um atributo das pessoas interessantes que eu, particularmente, admiro. Elas sempre procuram formas de mostrar o interlocutor sob um prisma positivo. Elas dão crédito quando necessário e reconhecem um talento quando o veem. Que tal apresentar no seu conteúdo de forma clara as fontes que o inspiraram? As situações que o levaram àquela reflexão?

Além de ser uma forma de prestar elogio a quem merece, é algo que você pode oferecer de bom, como reconhecimento a quem o ajudou a desenvolver o raciocínio ou a chegar em determinada conclusão. Se o seu conteúdo espelhar as qualidades da comunidade à sua volta, essa comunidade irá retribuir com boas recomendações a respeito da sua empresa também – não que o gesto precise ter esse retorno imediato para valer a pena.

6. Assuma as diferenças enquanto constrói pontos em comum

Todo mundo é diferente. Quando falamos em elaborar um arquétipo de seu público-alvo, essa é uma construção para facilitar a criação de uma estratégia de Marketing de Conteúdo. Sabemos que, na realidade, cada indivíduo a quem se destina seu conteúdo é diferente. Ao mesmo tempo, há sempre pontos em comum entre as pessoas (o que torna possível a definição desse arquétipo).

Quanto às diferenças, o melhor a fazer é assumi-las. São elas que nos tornam seres individuais e irreplicáveis. Há empresas que criam múltiplos canais para se comunicar com os mais diferentes públicos e que geram conteúdo de acordo com essas diferenças – que vão desde realidades regionais diversas a múltiplas faixas etárias e zonas de interesses.

Se houver discordâncias entre a sua empresa e determinado público, procure os elos de ligação e construa sobre eles. Use-os para fomentar mais conversas que irão aproximar ambos os lados.

7. Seja coerente e fiel a suas posições

O seu melhor trunfo que alguém pode ter é sua verdadeira personalidade. Uma empresa com marca forte tem mais é que assumi-la e deixá-la brilhar, não encobri-la.

É muito chato conversar com alguém que só reproduz discursos. Com o conteúdo da sua empresa funciona do mesmo jeito. Mesmo que a motivação ou origem das informações seja uma dúvida técnica ou fonte externa, dê sempre um toque pessoal. Esteja pronto para compartilhar pensamentos e opiniões (não de forma combativa, como a gente já viu). Tenha orgulho do que você representa e esteja pronto para que os outros conheçam a verdadeira cara da sua empresa.

8. Compartilhe na proporção de 50-50

Uma grande conversa é composta de contribuições igualitárias. Às vezes pode ser 40-60 ou 60-40, dependendo das circunstâncias. Mas, de um modo geral, ambas as partes devem ter oportunidades iguais para compartilhar e contribuir.

Com seu conteúdo, seja sensível o suficiente para fazer perguntas e permita que o público se pronuncie em pé de igualdade. Isso também significa que você deve tomar a iniciativa de compartilhar mais sobre a sua empresa. Não quer dizer que vá fazer propaganda – ninguém quer ler um conteúdo de uma empresa que só fala de si, assim como conversar com uma pessoa que só conta as próprias proezas pode ser muito desagradável.

Mas não é porque o público não pede que você tem que abrir mão de compartilhar as próprias experiências – principalmente a título de aprendizado. Da mesma forma, procure saber o que se passa com quem está do outro lado. Comece com as perguntas triviais, simples e cotidianas, para construir um relacionamento. À medida que a confiança for se estabelecendo e o público estiver mais disposto a partilhar, você poderá aprofundar as questões para levantar informações mais essenciais para a empresa.

E como você define os temas e o tom do conteúdo da sua empresa?

Compartilhe mais dicas ou dificuldades que esteja enfrentando. Seu comentário será muito bem-vindo!

Previous ArticleNext Article

This post has 2 Comments

2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Espere! Não esqueça de assinar nossa newsletter

Acesse conteúdo premium sobre marketing de conteúdo:

Suas informações de contato nunca serão usadas para enviar qualquer tipo de SPAM.