Segundo uma pesquisa recente da Econsultancy o Marketing de Conteúdo subiu para o topo da lista de importância em termos de tendências digitais. O grande motivador são as inúmeras vantagens para as empresas, como: aumento do tráfego nos sites e blogs corporativos, a melhor definição do público-alvo, geração de novos contatos e formação de uma audiência. Muitos negócios já entenderam que comprar tráfego não é mais suficiente para atrair e engajar clientes e conseguir novos contatos de clientes em potencial. Acontece que Marketing de Conteúdo não é um suave passeio no lago.

Colocar uma estratégia de conteúdo em prática pode ser uma dura tarefa, que poucas empresas estão dispostas a assumir. Além de conhecer muito bem o público-alvo, a empresa precisa definir toda uma abordagem, os temas, o tom e a linguagem do conteúdo, escolher os produtos que melhor ajudam a alcançar seus objetivos online e a frequência. Essa, por sua vez, demanda disciplina. As remadas precisam ser consistentes. Sejam cinco, três, duas ou mesmo uma publicação por semana, não se pode falhar. E é preciso designar pessoas que criem os posts, ebooks, webinars e que fiquem responsáveis pelas publicações e pela gestão do conteúdo. Claro que a consequência de todo esse esforço é fantástica. Mas será que o bônus precisa vir acompanhado do ônus?

Não necessariamente. Você pode escolher entre assumir os remos ou apenas guiar o trajeto do bote. Há uma árvore de decisão estratégica para quem está em dúvida sobre o que terceirizar e o que assumir como tarefa interna. Essa estrutura pode ajudar na hora de definir quem fica responsável pelo conteúdo da sua empresa. Vamos a ela?

  1. Comece criando uma lista das principais atividades da sua empresa, como os produtos ou serviços, os recursos que vocês usam para produzir ou fornecer, como recrutam talentos, etc. Inclua na lista as principais tarefas relacionadas ao Marketing de Conteúdo, como estabelecer a estratégia, produzir o conteúdo e medir os resultados.
  2. Para cada um dos itens, questione: “isso é algo que nos diferencia de nossos concorrentes ou é algo em que queremos ser tão bons quanto nossos concorrentes?”. Se for algo que os diferencia, coloque uma marca ao lado dessa atividade.
  3. Agora é o momento de qualificar essa lista. Retome a partir do primeiro item e responda honestamente se é algo que vocês fazem bem (e curtem fazer) ou se fazem mal por não terem expertise ou por não gostarem.
  4. Feito isso, separe os itens da lista de acordo com as duas qualificações. Todas as atividades que não são parte do core business da empresa podem ser simplesmente terceirizadas ou assumidas por um parceiro estratégico.

No caso do Marketing de Conteúdo, apenas as empresas que têm a geração de conteúdo em si como diferencial competitivo deveriam questionar se é ou não uma tarefa a repassar a um parceiro. Poucas empresas têm times inteiros preparados para estabelecer uma estratégia de conteúdo e executá-la com o conhecimento, a precisão e a disciplina necessários. Se esse também é o caso da sua empresa, não hesite: terceirizar ou buscar um parceiro qualificado para assumir essa tarefa é a decisão mais acertada para o seu negócio. Mas independente do caminho e de quem vai remar, o importante mesmo é não deixar o bote à deriva.

Para sua empresa, o melhor é assumir o Marketing de Conteúdo ou terceirizar?

 

Previous ArticleNext Article

This post has 4 Comments

4

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Espere! Não esqueça de assinar nossa newsletter

Acesse conteúdo premium sobre marketing de conteúdo:

Suas informações de contato nunca serão usadas para enviar qualquer tipo de SPAM.