10 mentiras sobre marketing de conteúdo

O marketing passou por uma revolução nos últimos dez anos. A mudança de hábitos decorrente da inserção da internet na vida das pessoas trouxe modificações profundas na maneira em que as empresas se comunicam e relacionam com seus clientes. Os canais de distribuição se multiplicaram: enquanto, há poucos anos, as agências de publicidade e propaganda produziam conteúdo para a TV, jornais, e rádio; atualmente as agências (de marketing, online, digital, 360º) precisam gerir, produzir e distribuir conteúdo para TV, jornais, rádio, Blogs, Sites corporativos, Facebook, Twitter, LinkedIn, Instagram, Pinterest.

Hoje, as estratégias de marketing não são mais vistas como um adicional (“se sobrar dinheiro a gente faz uma propaganda!”), mas como essenciais para a entrega dos resultados perseguidos pela empresa em geral. Esse é um dos principais motivos para o Marketing de  Conteúdo e todos os respectivos termos e ações tenham se popularizado tanto nos últimos anos.

De qualquer forma, é natural que junto com esses novos conceitos, alguns mitos e inverdades se popularizem. :/

Por isso, no meu dia a dia como Sales Rep da Contentools, é comum ouvir leads e prospects repetindo algumas ideias furadas. E isso acaba impactando negativamente muitas empresas e times de marketing que estão procurando uma fonte concreta de informações em que se basear para fortalecer seu Marketing Digital.

Foi pensando nisso que chamei a Mariane Provenzano, Customer Success, e a Eduarda Lemos, Sales Rep. da Contentools para me ajudarem a montar este infográfico com as maiores mentiras que ouvimos sobre o Marketing de Conteúdo.

Quantas dessas 10 mentiras sobre Marketing de Conteúdo você já ouviu por aí?

10 mentiras sobre marketing de conteúdo mentiras sobre marketing de conteúdo

Também recomendamos para você

Previous ArticleNext Article

This post has 4 Comments

4
  1. Bonito infográfico!
    Mas vou brincar de muthbusteds aqui! Permita-me discordar de 3 itens:

    Mito #1: Posts 500 palavras não funcionam. Funcionam muito bem, se usados de forma correta. Exemplo: Um post introdutório sobre “marketing” com um conteúdo de 500 palavras provavelmente não trará bons resultados, dado a competitividade desta palavra chave. Mas se você escolher uma palavra long tail, como “marketing e varejo” você vai ver que entre os primeiros resultados vários deles possuem menos de 500 palavras. Consultei o BI da Rock para responder este post e trouxe alguns dados. A performance típica de um post de 500 palavras é de 619 Pageviews e ~12 compartilhamentos em 12 meses. O post neste formato com mais visitas trouxe 57mil visitas nos seus primeiros 12 meses. Novamente, o formato funciona e usá-lo ou não é uma decisão estratégica que deve considerar vários fatores como maturidade do segmento de mercado, budget do cliente, volume de buscas e até mesmo os objetivos secundários daquele material. No fim do dia o que importa é a estratégia e não o número de palavras…

    https://m.imgur.com/gallery/vqXNd6y

    Mito 2: Volume não impacta o resultado. Hoje na Rock temos dados que comprovam que volume é um grande acelerador de resultados. Por isso e publicamos centenas de artigos por mês em nossos blogs, uma estratégia que tem nos permitido crescer rápido. Veja:
    https://m.imgur.com/gallery/b6QFqYy

    Mas prefiro nem mostrar os dados da Rock para isso e sim um estudo da Hubspot. Neste, eles mostraram que, empresas que publicam mais de 16 posts por mês, tem em média 3,5x mais visitas que as que publicam entre 0-4 artigos. Confira:
    https://blog.hubspot.com/marketing/blogging-frequency-benchmarks

    https://m.imgur.com/gallery/YT5e1JZ

    Mito #5: Não dá para ter previsibilidade de vendas: Todo time de marketing busca por alocar seus recursos em canais que trarão ROI, resultados reais mensuráveis. É claro que não é possível prever o futuro, mas com análises simples de taxas de conversão de leads, uma expectativa clara de tráfego por artigo e benchmarks de mercado é possível chegar a uma decisão embasada de quanto investir e quanto publicar. Profissionais de marketing data driven não fazem investimentos sem ter ao menos uma hipótese de receita, por isso eu acredito muito que este exercício é essencial.

    Um abs,
    D

    1. Oi, Diego, tudo bem? Que demais seu comentário, muito obrigada!

      Vamos lá! O Mito #1 está busted pelo que eu entendi, certo? Tanto o que você trouxe para agregar, quanto o que a Bá já tinha escrito fortalece o conceito de que conteúdos devem ser de qualidade e com boa profundidade, independentemente do seu tamanho/quantidade de palavras.

      Já o #2 tem muito a ver com esse primeiro também. Novamente é mencionada a importância da qualidade acima do volume de publicações. Afinal, as centenas de artigos do blog da Rock que você mencionou que vão ao ar todo mês visam sempre qualidade e valor acima de qualquer coisa, certo? A mentira, no caso, é achar que é possível conseguir resultados significativos com conteúdo apenas com uma massificação das publicações – sem dar a devida atenção ao que cada conteúdo realmente agrega de valor para a persona dentro de sua jornada de compra. Aquela história de conteúdo comprado em pacote só pra manter o blog atualizado, mas sem ter realmente a alma da empresa, sabe? Bom, então, mais um que concordamos que está busted!

      E no #5, foi ótimo você ressaltar que ter uma base de quanto resultado se pode obter é realmente muito legal e ajuda na tomada de decisão. Mas, quando se trata de marketing, não há ciência absoluta. O mito, nesse caso, tem relação à venda do resultado em números para o negócio X tendo como base os resultados que empresas Z, Y e H têm obtido. Uma coisa é usar as estimativas para ajudar a correr riscos calculados, outra coisa é vender a crença em números que não são seus de forma absoluta. Afinal, há inúmeros outros fatores que influenciam os resultados de uma estratégia de conteúdo e não são replicáveis. A Nabila já escreveu sobre esse assunto aqui, vale a pena dar uma olhadinha no raciocínio dela!

      Obrigada pela participação! Você é muito bem-vindo! Se tiver alguma dúvida, estamos à disposição também por email: [email protected]

      ps.: Você quis dizer mythbusters? Ah, eu também amava esse programa! 😀

  2. Gostei tanto do infográfico, como dos comentários do Diego. Nao os vejo como opostos em muitos de seus aspectos. Meus comentários com relacao a quantidade de palavras e volume: meu blog (blogtek.com.br) é um blog sobre gerenciamento de projetos e gestao da manutencao…entao, nao há um público muito vasto (mas mesmo assim tenho 6.000 assinantes, o que, para o tema, considero muito bom). Nesta área técnica, por vezes temos que nos alongar na explicacao, porém procuro manter em torno de 900 palavras, se der mais, divido o post. Mas, principalmente, para um tema destes, nao dá para escrever muito frequentemente!!!

    1. Olá, Rodolfo! É isso mesmo: cada um acaba encontrando o melhor formato, tamanho e frequência de publicações para agradar sua audiência! Afinal, ninguém conhece seu público e sua solução como você, não é? Boa! Se precisar de alguma ajuda (especialmente com automação) é só falar com a gente! 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Espere! Não esqueça de assinar nossa newsletter

Acesse conteúdo premium sobre marketing de conteúdo:

Suas informações de contato nunca serão usadas para enviar qualquer tipo de SPAM.