Sabemos que existem diversos conteúdos excelentes em outras línguas ou mesmo em outros sites nacionais e utilizá-los como referência pode ser uma boa maneira de enriquecer a estratégia de conteúdo. Contudo, existem cuidados que precisam ser tomados ao utilizar conteúdos provindos de outras fontes, pois você pode ser acusado de plágio. Mas como saber se o que você está fazendo é legal ou não? Não se preocupe! No post de hoje, iremos dar algumas dicas sobre como enriquecer sua estratégia de conteúdo com a colaboração de outros autores.

Usar conteúdo de outros autores não é sinônimo de cópia e sim de trabalho em parceria

Antes de iniciarmos, é importante ressaltar que quando falamos sobre utilizar conteúdo de outros autores, não estamos apenas nos referindo a citações e traduções, mas também ao conteúdo que é compartilhado por meio de parcerias. Afinal, quando se trata de marketing de conteúdo, a originalidade é um fator muito importante e ela pode ser atingida também pelo compartilhamento de conteúdo entre parceiros.

Como enriquecer sua estratégia de conteúdo com a colaboração de outros autores

Se você deseja ser original, mas ainda assim usar as palavras de outros autores para enriquecer ainda mais seu conteúdo, saiba que é possível, sim.

Dica 1: Faça link building

Uma boa forma de utilizar o conteúdo de outros autores para contribuir em sua estratégia de conteúdo é linkar o blog post, e-book, webinar, etc., que você achou interessante ao longo do seu próprio post. Dessa maneira, você está usando o conteúdo, mas de maneira que promova o autor também. E, além disso, você continua original.

Dica 2: Promova guest posts

Outra forma de usar o conteúdo de outros autores para escalar seu marketing de conteúdo é através de guest posts. As parcerias são uma ótima maneira de escalar sua produção de conteúdo. Chame um expert em algum assunto abordado por seu blog e peça para ele criar um conteúdo específico para a sua audiência. Em troca, você pode fazer o mesmo.

Utilize depoimentos também de outros parceiros e faça cases. Essa é uma maneira de utilizar conteúdos de terceiros de forma original, mantendo a qualidade do seu blog.

Dica 3: Utilize o co-marketing

Se você gosta muito da forma como a empresa X faz seus blog posts e e-books e eles são seus parceiros, convide-os para uma parceria. Hoje em dia, o co-marketing em e-books tem gerado muitos resultados, pois vocês não são concorrentes, mas possuem soluções complementares e uma audiência compartilhada. Assim, todos saem ganhando e você continua com o ponto da originalidade intacto.

Mas e se eu encontrei um conteúdo que já foi escrito?

Se você já utilizou as dicas elencadas acima e ainda assim encontrou um conteúdo – já escrito – que seria fantástico para sua audiência, temos algumas outras dicas para lhe dar.

Provavelmente você se sente dividido entre copiar o texto ou pensar em direitos autorais, não é mesmo? A partir de hoje, você não precisará mais ficar neste dilema! Siga nosso passo a passo e tudo ficará dentro da legalidade e seus leitores poderão se deliciar com textos diferentes.

Como usar conteúdos de outros autores para escalar seu marketing de conteúdo sem ferir os direitos autorais

Então você tem um blog e encontrou um conteúdo que seria fantástico para sua audiência. Contudo, você se sente dividido, pois quer copiar o texto, mas não sabe como lidar com os direitos autorais. A partir de hoje, você não precisará mais ficar neste dilema! Siga nosso passo a passo e tudo ficará dentro da legalidade e seus leitores poderão se deliciar com textos diferentes.

Dica 1: Você já leu sobre as licenças do blog/site?

O primeiro passo é compreender como funciona a licença do blog/site de onde você deseja copiar o conteúdo. Mesmo que esteja difícil de encontrar esta licença, é seu dever procurá-la e compreendê-la. Uma dica é procurar na coluna lateral ou no rodapé do site. Alguns deixam a licença bem visível, com uma página exclusiva para essas regras.

Ao encontrar a licença, você precisa entendê-la muito bem. Ela pode ser estilo Copyright (todos os direitos reservados) ou Creative Commons. Qual a diferença entre as duas?

Em linhas gerais, é simples. O Copyright basicamente designa um direito de veto, ou seja, ninguém pode utilizar o conteúdo sem antes solicitar a autorização do autor. A Creative Commons (CC), por outro lado, permite alguns usos de sua obra, sem pedir autorização prévia, desde que sejam respeitadas algumas condições. O que nos leva a segunda dica!

Dica 2: Respeite as condições de uso

Conforme afirmamos, cada licença tem suas condições de uso. O Copyright, conforme as leis brasileiras, determina que somente o autor do conteúdo tem direitos autorais sobre o conteúdo em questão, e quem o copiar será passível de medidas cabíveis.

Já a Creative Commons depende muito das condições de uso, que oferecem concessões e restrições – escolhidas a critério do autor. Neste caso, é importante ressaltar alguns possíveis cenários:

  • Se a CC permitir que você copie apenas parte do conteúdo, não copie mais do que um parágrafo para não se complicar.
  • Caso a CC exija que você possua uma licença – sob a mesma licença do blog – para utilizar o conteúdo, faça isso antes de qualquer outra coisa. Não copie sem ter essa licença!
  • Se você, por acaso, ganha dinheiro com suas postagens, não deve utilizar textos que proíbam o uso comercial.

Essa parte da licença é muito importante, pois a legislação brasileira sobre direitos autorais prevê o seguinte:

Art. 29. Depende de autorização prévia e expressa do autor a utilização da obra, por quaisquer modalidades, tais como:

I – a reprodução parcial ou integral;

II – a edição;

III – a adaptação, o arranjo musical e quaisquer outras transformações;

IV – a tradução para qualquer idioma;

Em outras palavras, se você fizer cópia integral ou parcial, você estará sujeito às medidas cabíveis perante a legislação.

Dica 3: Dê os devidos créditos ao autor

Agora que você compreendeu como funcionam as licenças e regras de uso, precisamos entender a questão das citações e os créditos ao autor. Por isso, vamos supor alguns cenários:

Cenário 1: Citação de dados

Quando você quiser utilizar algum dado estatístico deve citar não só o site de onde você está replicando os dados, mas também a empresa que fez a pesquisa originalmente. Isso vai além de respeitar os autores da pesquisa, pois permite aos leitores aprofundarem a pesquisa, caso desejarem.

Cenário 2: Parágrafos inteiros

Quando você quiser utilizar parte do texto, deve seguir a questão das concessões e regras de uso da licença em questão, lembrando de citar o autor tanto durante o texto quando ao final do post.

Cenário 3: Citação de um autor por outro site

Se você encontrou algum dado interessante de algum autor, mas em outro website, por questão de etiqueta, deve citar os dois. Mesmo que seja o ponto de vista de um autor sobre outro (ou de um autor sobre uma empresa), você deve citar os dois.

Dica 4: Citações nas mídias sociais

Agora que você compreendeu as regras e restrições, além de alguns possíveis cenários de citações, é importante ressaltar que as mídias sociais também têm algumas regras. Vamos a elas?

Twitter

Para citar um autor no Twitter é muito simples, basta você utilizar via @nomedousuário e você estará fazendo um retweet (RT). Contudo, caso você modifique o original, deve indicar com a sigla (MT), que significa Twitter modificado.

Facebook

No Facebook esta questão é ainda mais fácil, basta utilizar o botão compartilhar, pois eles trazem a URL original.

LinkedIn

Nesta rede social, você deve incluir o link do conteúdo citado e mencionar o nome da pessoa ou empresa.

Google+

Via de regra, no Google + você deve incluir o nome da pessoa ou empresa com um @ +, pois assim você irá linkar o perfil da pessoa ao texto também.

Em suma, as regras são: colocar o nome do autor, o link para o conteúdo original, colocar crédito no início do post e ao final também, além de ser interessante utilizar aspas para evidenciar que você está replicando outro conteúdo.

Dica 5: Leve em conta a postura para referência de materiais acadêmicos

Você se lembra de quando precisava fazer as referências em seus trabalhos acadêmicos? A postura na internet não deve ser diferente. Você sempre deve levar em conta três elementos:

  • Autor
  • Ano
  • Nome da obra

Se tiver edições diferentes, organizadores ou estiver se referindo a revistas e outros documentos eletrônicos, os procedimentos também devem ser os mesmos. Muitas vezes trazemos referências acadêmicas para os textos web e por isso, devemos respeitá-las. Quer entender um pouco melhor? Acesse o site da ABNT. Lá você encontrará diversas informações sobre a normalização.

Agora que você compreendeu as regras, é interessante aprender a entrar em contato com o produtor de conteúdo, que é o primeiro passo para poder usar conteúdos de outros autores para escalar seu marketing de conteúdo.

Modelo para entrar em contato com o produtor do conteúdo

Se você deseja utilizar o conteúdo de outro autor e, especialmente, se você deseja traduzi-lo para outra língua, é importante ser bem detalhista sobre quem é você e seus motivos para replicar o conteúdo. Por isso, siga os passos a seguir:

Passo 1: Diga ao produtor do conteúdo que você gostou do post dele. Como exemplo, temos:

“Eu sou um grande fã do seu blog, pois ele me ajudou muito a entender como o marketing de conteúdo funciona e como posso usá-lo para fazer minha empresa crescer.”

Passo 2: Explique por que você está entrando em contato. Veja um exemplo:

“Estou entrando em contato porque eu também tenho um blog [link incorporado ao blog] e escrevo sobre startups e empreendedorismo.”

Tenho certeza de que meus leitores gostariam de seu conteúdo e, por isso, eu gostaria de traduzi-lo para o português e distribuí-lo entre meus seguidores, dando-lhe completa atribuição, é claro.”

Passo 3: Reforce as vantagens que o autor terá com o conteúdo traduzido. Por exemplo:

“Meu blog tem mais de X visitantes / mês: principalmente comerciantes, empresários e profissionais de conteúdo à procura de novas maneiras de fazer seus negócios alavancarem.”

Lembre-se que você precisa da permissão para citar alguém e, principalmente, sempre deve atribuir o conteúdo ao seu autor original, levando em conta suas regras de uso e licença. Além disso, se você está procurando não só utilizar dados estatísticos ou pequenos parágrafos, mas sim traduzir o texto por completo, é importante explicar seus motivos, estabelecer uma boa relação e mostrar que o autor também ganha com isso. Caso contrário, suas chances se tornarão muito pequenas.

A questão da licença deve ser reforçada, pois muitas pessoas não procuram sobre ela ou nem sabem de sua existência, podendo estar cometendo plágio não intencional. A legislação brasileira prevê multa ou detenção a quem infringe a lei de direitos autorais (Art. 184), conforme afirmamos no início, portanto, quem copia, possui deveres como cidadão brasileiro e não o deve fazer sem ter plena consciência disso.

Em nosso post A tradução de um conteúdo é considerada plágio?, reforçamos bastante o que é plágio, como ele é enquadrado na lei e também algumas ferramentas para detectá-lo. Confira o post na íntegra e entenda por que o uso de outras fontes é uma questão séria e deve ser estudado.

Utilizar conteúdos de outros autores para escalar seu marketing de conteúdo é uma ótima estratégia e pode gerar ótimos leads, desde que seja utilizado com sabedoria e ciência. Entretanto, é importante fazer uma ressalva: nada se compara a conteúdos originais. A credibilidade e autoridade que você criará na internet postando conteúdos relevantes, de qualidade e especialmente originais será muito gratificante para o seu negócio. Por isso, pense antes de utilizar conteúdos de outros autores, por mais enriquecedores que eles sejam. Lembre-se que estratégias de link building, guest posts e co-marketing são bastante enriquecedoras; embora sejam conteúdos de outros autores, elas mantêm o aspecto da originalidade.

Esperamos que o post tenha esclarecido suas dúvidas e se quiser mais sobre dicas para sua estratégia de conteúdo, continue acompanhando nosso blog!

Quer alavancar ainda mais sua estratégia de conteúdo? Saiba mais sobre nossa plataforma de automação e gerenciamento de conteúdo: entre em contato conosco!

Previous ArticleNext Article

This post has 2 Comments

2
  1. Mesmo que o autor do conteúdo original permita replicar o conteúdo, como fica a questão de conteúdo duplicado perante o Google? Pois sabemos que ele penaliza conteúdos duplicados. Gostaria de trocar artigos com um parceiro (replicar artigos da minha empresa no blog dele, e vice-versa), porém não sei como proceder sem ser penalizada pelo google. Pensamos em Canonical Tag, porém ele não funciona para domínios diferentes.

    Espero que possam me ajudar 🙂

    1. Oi Alini, você pode referenciar o conteúdo original no início e/ou final do artigo, com link.
      Na realidade o Google não pune a sua página, mas sim transfere a autoridade obtida por esta página (não domínio) para a original.
      Portanto o melhor caminho seria fazer uma pequena chamada, um teaser, para apontar o leitor ao texto original.
      Adicionei você no LinkedIn, caso queira tirar mais dúvidas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Espere! Não esqueça de assinar nossa newsletter

Acesse conteúdo premium sobre marketing de conteúdo:

Suas informações de contato nunca serão usadas para enviar qualquer tipo de SPAM.